page visitor counter
who is online counter blog counter Familia Vaz Lima: Passeio com com caminhadas no Parque Natural de Montesinho Familia Vaz Lima: Passeio com com caminhadas no Parque Natural de Montesinho

Familia Vaz Lima

Thursday, November 19, 2009

Passeio com com caminhadas no Parque Natural de Montesinho

O Parque Natural de Montesinho é um dos maiores parques naturais dos 12 existentes no país. Está situado na Região de Trás – os – Montes (Nordeste Transmontano) abarcando a parte norte dos concelhos de Bragança e Vinhais, que fazem parte da chamada Terra Fria Transmontana. Destacam-se no parque os dois grandes maciços existentes, a Serra da Coroa (a Oeste) e a Serra de Montesinho (a Este) que dá o nome ao Parque.
A região é caracterizada por uma sucessão de formas arredondadas, aqui e ali separadas pelos vales de rios profundamente encaixados. As atitudes extremas são: 438 metros nas águas de Sandim, no leito do rio Mente, e 1481 metros na Malhada da Cova, na serra de Montesinho.
Os rios mais importantes são, na parte ocidental, o Mente e o Rabaçal, na central, o Tuela e o Baceiro, e, na oriental, o Sabor e o Maçãs.A Serra do Montesinho dá ao nome ao Parque que encerra uma paisagem grandiosa, serena e, muitíssimo bela.Os terrenos são dominantemente xistentos, tendo no entanto expressão afloramentos de rochas básicas, alguns afloramentos de calcários, nomeadamente em Cova de Lua e Dine, e manchas graníticas na parte superior da serra de Montesinho e nos Pinheiros.Para apreciar superfície tão rica e bela, convém dispor de uma viatura e de alguns dias livres.A rede de estradas que atravessa o Parque é bastante boa, cruzando todo o tipo de paisagens e locais.
Dados Principais:Criação: 1979Área: 74.230 hectaresHabitantes: 9.000Aldeias: 92Altitude: min. 438 m; máx 1486 m (Montesinho)Temperatura: variação: – 12º C; + 40º CEspécies animais: 240 de vertebrados (150 são de aves) PROGRAMA: Partida na 6ª feira dia 27/11 em viaturas particulares, dormida na Pousada da Juventude de Vila Real. Itinerário: A1 na direcção Porto + A4 direcção Amarante + IP4 Vila Real.Alternativa: autocarro parte para Bragança ás 19h, estação de Sete Rios. Chegada a Vila Real ás 0:30 e a Bragança ás 2:25. Sábado, 28 Novembro:Partida ás 9h de Vila Real para Bragança, alojamento na Pousada da Juventude.12h: Visita á aldeia de Quintanilha. Percurso pedestre de 13,2 km. Importante: levar farnel para almoço.16h: Fim de percurso. Relaxe e convívio. 16h 30m: passeio de carro pelo parque natural.20h: Jantar em BragançaDomingo, 29 Novembro:9h : Visita á aldeia de Guadramil e percurso pedestre de 8,5 km. É uma aldeia típica transmontana do distrito de Bragança, na freguesia de Rio de Onor. Aldeia comunitária em pleno Parque Natural de Montesinho, mantém as casas de traça típica e um dialecto praticamente extinto chamado Guadramilês. Esta aldeia, foi durante muitos anos, uma aldeia comunitária, onde os seus habitantes repartiam o moinho, a forja, o rebanho e algumas tarefas agricolas. O trilho “Na Rota dos Cervídeos” é um percurso pedestre sinalizado denominado de Pequena Rota (PR). Ao longo do vale comprido, são de notar os diferentes aproveitamentos dados pela população ao uso do solo, tais como, agricultura, pastagem e bosque. Património: Igreja matriz, moinhos, forja comuni­tária, Igreja paroquial em Guadramil, lagar de vinho e fornos.12h: Visita á Aldeia de Rio de Onor.Ocupando a extremidade nordestina do concelho, o território desta freguesia é delimitado pela vizinha Espanha nos flan­cos norte e nascente, tendo as congéneres Aveleda e Deilão a confrontar do poen­te e sul, respectivamente.Abrangendo uma área considerável, in­cluída no perímetro do Parque Natural de Montesinho, esta freguesia partilha o nome com o rio que a atravessa, no senti­do norte-sul, tornando-se posteriormen­te tributário do Sabor. É precisamente aí, junto à linha da fron­teira setentrional, que assenta o povo­ado principal, bem conhecida pelas suas peculiaridades e sobrevivências de um ancestral comunitarismo agro-pastoril, a esbater-se já no decurso inexorável dos tempos.Com uma orografia montanhosa e planál­tica, registando uma altitude média na or­dem dos 750 metros, Rio de Onor inclui, porém, um extenso trecho de vale, aber­to, amplo e aprazível, banhado pelo Onor e protegido pelas imponentes Serras de Montesinho (a poente), Sanábria (a norte) e Guadramil (a nascente).Com as suas típicas casas de xisto, de pare­des escuras, sem reboco e de aparelho mi­údo, as aldeias desta freguesia preservam um carácter arcaico e rústico, “casando” perfeitamente com a belíssima paisagem natural. Rio de Onor é um caso emblemá­tico, reforçado pela sua posição fronteiriça, com a homónima espanhola – Rihonor de Castilla – ali à distância de uns passos, separada apenas pelo rio (que não chega a ser obstáculo, pois é vencido por esplên­dida ponte medieval de alvenaria e múlti­plos arcos).Actividades económicas: Agricultura, horticultura e pecuária. Património: Igreja matriz, ponte romana, moinhos casa de aldeia tradicional, forja comunitária, igreja paroquial em Guadramil, lagar de vinho e fornos. 13h: percurso pedestre de 11 km em Rio de Onor. Importante: levar farnel para almoço. 16h: visita ás aldeias de Varge, Aveleda e Sacoias.18h: regresso a Bragança20h: jantar. 2ª feira, 30 Novembro:9h: Visita á aldeia de França. A aldeia de França surge “aninhada” numa prega de terreno, em posição baixa domi­nada por possantes dorsos montanhosos. Junto ao casario estende-se uma vasta campina, planura verdejante retalhada em pastagens e campos de cultivo, alternância também ela dominante na rústica econo­mia local, dividida entre pastorícia e ama­nho dos solos. Tomando um desvio de ter­ra a seguir à ponte, valerá a pena dar um pulo ao Centro Hípico e apreciar os belos animais ali existentes.Para além dos apreciáveis trechos de pai­sagem, uma outra excepcional riqueza jaz oculta no subsolo desta freguesia. Falamos dos recursos da mineração, ou­trora com grande ascendente nestas paragens contabilizando-se as minas de esta­nho (Chaira da Cruz, Vale da Formiga e Portela da Lameira), as de ouro e prata (Covas Altas, Fonte Cova e Vale do Can­celo) e uma de ouro, esta gostosamente denominada Pingão dos Quintais.Os filões de Ouro e Prata localizam-se junto a França, os filões de Estanho loca­lizam-se próximo do Portelo onde se che­ga cruzando sempre a E.N. 103-7.10h.30m: Visita á aldeia de Montesinho. Percurso pedestre de 10 km.Importante: levar farnel para almoço. Esta ampla freguesia que integra as al­deias de França, Montesinho e Portelo é a mais setentrional do concelho de Bragan­ça, localizando-se junto à orla fronteiriça e abarcando ampla parcela do Parque Na­tural de Montesinho. Para além da vizinha Espanha, que em ampla extensão lhe serve de limite norte, esta freguesia tem ainda por limítrofes as congéneres Carragosa (a poente), Rabal (a sul) e Aveleda (a nascente). Abrangen­do uma alargada superfície montanhosa e planáltica, em plena Serra de Montesinho, o território de França é cortado pelo Rio Sabor e pela Ribeira das Andorinhas. Um pouco a norte da aldeia de Montesinho regista-se a altitude máxima de toda esta área do Parque Natural, muito concreta­mente 1156 metros.14h: Visita á aldeia de Vilarinho. Percurso pedestre 8 km.17h: Passeio de carro pelo parque Natural e regresso a Bragança. 20h: Jantar 2ª feira, 1 Dezembro: 9h: Visita á aldeia de Gimonde. Percurso pedestre 12 km. 13h: almoço em Bragança. 14h: regresso a Lisboa Preço: 60 € por pessoa, dormida em camarata na Pousada da Juventude (4 noites) ou 80 € em quarto duplo compartilhado. O custo da deslocação e alimentação é por conta dos participantes. Há possibilidade de boleia. Para inscrições e mais informações enviar mail para migcostaper@gmail.com ou contactar 914907446 / 967055233.
posted by Mena Lima at 11:27 PM

0 Comments:

Post a Comment

<< Home